Os Direitos Humanos são o tema da edição especial da revista Tempo, a única em língua portuguesa em Timor-Leste, editada pela Escola Portuguesa de Díli e, pela primeira vez, com colaborações das restantes escolas em língua portuguesa do país.

Intervindo no lançamento da edição, a 6ª da revista, o diretor da Escola Portuguesa de Díli (EPD), Acácio de Brito, explicou que a edição especial alargada da Tempo foi realizada com o apoio da Embaixada da União Europeia em Díli, que permitiu aumentar o número de exemplares de mil para 8.500.

Um apoio que se deveu ao facto de a revista contar, pela primeira vez, com contributos de todos os 13 Centros de Aprendizagem e Formação Escolar (CAFE), escolas do sistema público timorense apoiadas por professores portuguesas e onde se leciona em português.

Intervindo no lançamento, a ministra da Educação, Juventude e Desporto timorense,Dulce Soares, considerou a Tempo, editada desde 2017, uma “ótima iniciativa para divulgação da língua portuguesa” num país onde “há muita carência de publicações regulares deste género e em língua portuguesa”.

Em termos gerais, Dulces Soares reiterou a vontade de Timor-Leste manter e fortalecer as boas relações com Portugal e que o país continua a contar com o apoio português, especialmente no setor educativo.

Aos jornalistas, Dulce Soares considerou a publicação um “bom exemplo para divulgação da língua portuguesa em Timor-Leste”, mostrando-se otimista que a ideia possa ser alargada a outras escolas do país.

“Esperamos que no futuro o Ministério da Educação continue a cooperação com a UE para dar apoio à possibilidade de imprimir mais cópias para distribuir pelas escolas do resto do país. Pode ser muito útil para ajudar os estudantes a fortalecer as suas capacidades”, considerou.

Acácio de Brito recordou o papel da EPD como “espaço privilegiado de formação das crianças e jovens que a frequentam e complementarmente tem-se afirmado como forte núcleo de aprofundamento da língua e cultura portuguesas” em Timor-Leste.

“Cumpre-se assim o desiderato de tornar a EPD num espaço de referência da língua e da cultura portuguesas, exigente nos propósitos, qualificante e qualificadora dos recursos humanos, tendo como objetivo estratégico contribuir para a formação socioeducativa dos recursos humanos proporcionando formação de base portuguesa”, afirmou.

O Embaixador de Portugal em Díli, José Pedro Machado Vieira, destacou o trabalho que tem sido desenvolvido pela EPD e pelas escolas CAFE, incluindo na revista Tempo que dá voz a várias instituições, “dando a conhecer projetos, iniciativas e alianças forjadas em prol de uma melhor educação para a Democracia e os Direitos Humanos”.

“Afirmo, com orgulho, que esta publicação constitui uma janela sobre o bom trabalho desenvolvido na Escola Portuguesa de Díli, bem como pelas várias escolas CAFE”, disse.

Já o Embaixador da União Europeia em Díli, Alexandre Leitão, disse que a decisão de financiar a edição especial se deveu ao facto de a publicação ter um alcance nacional, neste caso através dos Centros de Aprendizagem e Formação Escolar (CAFE).

Considerando essencial continuar a apostar no setor da educação, o diplomata disse que as escolas podem e devem ser um espaço de ação social, incluindo em setores como o ambiente.

Por isso desafiou as autoridades timorenses a tentar, pelas escolas, adotar medidas que ajudem a combater o problema do lixo e outros problemas ambientais que afetam o país.

“Se estas crianças tiverem os valores certos no futuro vão ser adultos que passam os valores certos às suas crianças”, disse.

Fonte: Lusa

  • Partilhe