Em 2020, serão comemorados os 25 anos sobre a adoção da Plataforma de Ação de Pequim, documento programático que estabelece um conjunto de medidas e ações com vista a remover os obstáculos que se colocam à plena participação das mulheres e raparigas em todas as áreas da vida, seja no domínio público ou privado, e em todo o mundo.

Esta Plataforma foi desenvolvida e aprovada em 1995 durante a realização da IV Conferência Mundial sobre as mulheres, que teve lugar em Pequim, tornando-se numa agenda mundial progressista no que concerne aos direitos e ao empoderamento de todas as mulheres e raparigas. Este documento contém compromissos para a implementação de ações estratégicas em 12 áreas criticas: pobreza, educação e formação, saúde, violência, conflitos armados, economia, poder e tomada de decisão, mecanismos institucionais,  direitos humanos, media, ambiente e raparigas.

Como exercício de todos os Estados-membros das Nações Unidas, são produzidos relatórios de 5 em 5 anos com o objetivo de dar a conhecer os progressos e desafios nacionais na implementação da Plataforma.

Portugal submeteu o seu Relatório Nacional no passado dia 15 de junho e poderá ser consultado, a par dos restantes relatórios nacionais da região Europa (40 em 56), na página da Comissão Económica das Nações Unidas para a Europa - UNECE.

   

  • Partilhe